Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro

 

Prefeitura convoca cariocas para mobilização contra o Aedes aegypti

10/02/2017 13:55:00  » Autor: Flávia David / Fotos: Mariana Ramos


O prefeito Marcelo Crivella requisitou a participação do povo carioca em uma importante missão: participar de uma grande mobilização contra o mosquito Aedes aegypti e as arboviroses (dengue, zika e chikungunya), que será realizado neste sábado (11/02), das 8h às 12h, em várias regiões da cidade. O mutirão envolverá 126 unidades de saúde, que servirão como pontos de encontro para as ações de combate ao vetor. Nesses locais, haverá distribuição de material informativo e a presença de profissionais de saúde que irão alertar as pessoas sobre a importância de verificar diariamente possíveis focos do mosquito em suas residências. Atitude que, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), pode derrotar o Aedes. O mutirão faz parte da campanha "Aqui mosquito não se cria" e conta também com o apoio das secretarias de Educação, Esportes e Lazer e de Assistência Social e Direitos Humanos.

 

Além de envolver a população no combate ao mosquito, o mutirão tem por objetivo preparar a cidade para o período de chuvas. Mesmo com índices dentro do tolerável, o município permanece em alerta para o risco de epidemia, principalmente para chikungunya. O prefeito Marcelo Crivella, acompanhado do secretário municipal de Saúde, Carlos Eduardo de Mattos, participará da abertura do dia de mobilização na Clínica da Família Souza Marques, em Madureira, na Praça do Patriarca, bairro que registra alto índice de infestação pelo mosquito.

 

- Quero convidar todos os cariocas a se dirigirem às unidades básicas de saúde próximas de suas casas, como Clínicas da Família e postos municipais, para participar conosco desse grande mutirão. Nesses locais, todos receberão material impresso e instruções de como falar com as pessoas para terem cuidado com dengue, zika e chikungunya. Também conto com o apoio de todos para que nos deixem entrar em suas casas. Nossa principal preocupação é com a última, uma vez que não estamos imunizados e ela está chegando. Essa doença ainda tem seus efeitos e não podemos descansar. Precisamos ser prudentes. Que a população esteja do nosso lado para que o mutirão seja um sucesso - disse o prefeito em coletiva realizada nesta sexta-feira (10/02) no Centro de Operações Rio (COR).

 

Para o secretário municipal de Saúde, o trabalho da prefeitura - que também envolverá órgãos como a Comlurb, a Secretaria Municipal de Conservação e Meio Ambiente e as 16 superintendências regionais da cidade - não terá o mesmo alcance se não houver engajamento por parte do carioca:

 

- É uma campanha voltada à sociedade do Rio, que não pode ser abalada por um mosquito. Precisamos muito contar com a população para combatermos esse mal. Estamos falando de tirar apenas dez minutos por semana para identificar possíveis focos do Aedes em suas casas. Esse trabalho integrado é fundamental para que obtenhamos vitórias.

 

Além dos profissionais das unidades e de voluntários, estarão nas ruas três mil agentes de Vigilância em Saúde para realizar vistorias nas áreas dos bairros com maior índice de infestação do mosquito de acordo com o último LIRAa, o Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti. De acordo com a pesquisa, em 82% dos casos os criadouros do mosquito estão no interior das residências, especialmente em ralos, piscinas não tratadas, fontes ornamentais e tanques de obras, além de recipientes usados como reservatórios domésticos de água (caixas d'água, cisternas, tonéis, tambores e filtros).

 

Para a campanha "Aqui mosquito não se cria", a SMS também disponibilizou o site http://aquimosquitonaosecria.prefeitura.rio com informações e dicas sobre os principais locais a serem verificados nas residências pelos moradores. A ferramenta também oferece orientações sobre as três principais arboviroses transmitidas pelo Aedes aegypti. Além do site, também foi desenvolvido um aplicativo para smartphones. O "Aqui mosquito não se cria" oferece uma lista de tarefas para a eliminação de possíveis focos do mosquito. Também é possível criar um alerta semanal para lembrar o usuário de vistoriar o imóvel. Disponível para download na Apple Store e Google Play Store, o aplicativo também esclarece os sintomas de cada doença e localiza a unidade de saúde mais próxima de seu endereço. A campanha também se faz presente no Facebook.

 

A Secretaria Municipal de Educação também possui presença ostensiva na campanha, com ações em diversas frentes. Para o sucesso do mutirão deste sábado, o órgão conta com a ajuda de alunos, pais, professores e diretores:

 

- Com uma rede capilarizada, com 650 mil alunos, temos um imenso exército de pais, por exemplo, a nosso favor. O primeiro tempo de aula em todas as nossas escolas serão dedicados ao Aedes aegypti por todo o semestre. Além disso, estamos investindo pesado na distribuição de materiais informativos. Nossos professores estão indo de casa em casa - disse o secretário Cesar Benjamin.

 

A proposta do órgão municipal é promover outras semanas de mobilização. A ação tem como objetivo  fazer com que os alunos e suas famílias, bem como os próprios profissionais de educação e suas respectivas famílias, se tornem multiplicadores de informações.

 

A programação completa da mobilização deste sábado foi divulgada, nesta sexta-feira, no Diário Oficial do Município.


Imagens relacionadas:










Serviços Serviços